pedreiro

Do início ao fim: Como Organizar sua Obra

Se você vai iniciar uma construção ou reforma e comentou isso com parentes e amigos, provavelmente escutou essa: “vai mexer com obra?? Corajoso, você!”. De fato, é preciso um pouco de coragem. Afinal, são inúmeros detalhes a observar, orçamentos a fazer, profissionais a contratar e dinheiro o suficiente pra isso tudo.

calculadora

Mas a bem da verdade, quando você se programa e se organiza antes de começar, tudo fica mais fácil. Aí então, não é preciso mais taaanta coragem, só organização e atenção. “Ok, mas nunca fiz isso antes e estou completamente perdido! Como se organiza uma obra, afinal?”. Estamos aqui pra isso! Vamos orientar você direitinho, e logo logo você vai conseguir montar um bom cronograma, detalhado e que vai te permitir agir com eficiência até nos momentos de imprevisto (e quando se fala de obras, até os imprevistos devem ser ensaiados). Vamos lá?

Do começo: o arquiteto e o orçamento

Uma obra nunca começa pelo cimento, ela começa é pelo arquiteto. É com ele que você deve discutir o que pretende fazer; ele dirá se é uma ideia viável e orientará você sobre os materiais necessários e também os profissionais adequados.

calculando orcamento

Logo em seguida, vem a análise do orçamento que você tem disponível pra sua obra. Faça o levantamento do seu recurso financeiro ATUAL (não leve em conta aquela grana que talvez vá cair durante as obras, conte sempre com o que você efetivamente tem, pra evitar encrenca lá na frente). Se você não tiver um valor significativo logo de cara mas puder fazer um pagamento parcelado, calcule qual o valor mensal que você pode pagar sem comprometer suas despesas, e por quanto tempo pode manter esse pagamento. Importante para o decorrer da obra: faça apenas aquilo que planejou. Modificações em cima da hora (principalmente por pitacos de alguém) aumentam os custos, e é nessa curva que muita gente acaba capotando o orçamento de casa.

Alguns baratos são mais caros do que você pensa

Agora é a fase de fazer os orçamentos. Nada de se ater à loja do compadre, de quem você gosta tanto. Se o preço dele não for o mais barato, tente negociar – ou compre na outra loja. Não tá fácil pra ninguém, não é?

Cronograma

É verdade, o Brasil está sempre em algum tipo de crise e a gente tem sempre que escolher as opções mais em conta. A gente sabe. Só que algumas escolhas baratinhas de hoje podem forçar você a gastar de novo num futuro razoavelmente próximo. Um exemplo: suponhamos que você vai fazer uma piscina e vai precisar fazer uma sala de máquinas pra ela. Aí, por motivos de preço, você escolhe uma portinhola de madeira fina, um compensado, pra impedir a entrada de crianças e animais ali dentro. Porta de compensado numa casa de máquinas de piscina?? Logo logo a grande umidade do local vai fazer essa portinhola estufar e você vai precisar comprar outra. Nesse caso, se você tivesse escolhido uma porta de alumínio, nunca mais precisaria se preocupar com isso.

 

Outra má ideia é economizar na parte elétrica. Fios, conduítes, tomadas e conectores de baixa qualidade (e baratinhos), além de não terem vida útil longa, colocam você e todos na casa em risco. O mesmo vale com as madeiras do telhado: usar madeira de qualidade não é opção, é exigência e questão de segurança.

Prazos e preços: os comandantes do orçamento

arquiteto

Esses dois itens estão em relação estável quando o assunto é orçamento de material de construção. Para ajudar na negociação, liste tudo o que vai precisar em categorias:

  • – elétrica (fiação, tomadas, espelhos de luz, bocais, conectores, etc.)
  • – hidráulica (sanitários e pias)
  • – alvenaria (cimento, ferragens, brita, etc.)
  • – cerâmica (pisos, azulejos de parede, listelos, etc.)
  • – telhado (madeiramento e telhas)
  • – acabamento (tintas, verniz, selante, lixas, vidros, etc.)
  • – outros (pedra de tampo de pia e bancadas, geso, etc.)

Existem lojas especializadas em construção e acabamento que podem fornecer tudo isso – por elas mesmas ou através de contrato com terceiros. Lojas assim são uma mão na roda pois tudo o que você precisa pode ser negociado no mesmo lugar. Se você conhecer lojas desse tipo, faça um orçamento geral e discuta preços, descontos e prazos – normalmente, pagamentos com prazos menores são agraciados com descontos maiores. Mas se não houver uma loja assim por perto, você vai ter que negociar caso a caso. E não tenha preguiça: negocie mesmo! A maré não está pra peixe pra quem constrói ou reforma, mas também não está fácil para os lojistas, e eles não querem perder vendas.

Assista o Vídeo Sobre a Loja do Alumínio

Chega de teoria: hora da prática

Ok, tudo isso parece muito simples-porém-trabalhoso colocado dessa forma. Mas o que interessa é a coisa na prática, não é? Então vamos orientar você na montagem de um cronograma pra sua obra, seja ela qual for (reforma, construção do zero…).

  1. discussão das ideias com a família (se for o caso) e apresentação das mesmas ao arquiteto;
  2. ajuste das ideias pelo arquiteto e montagem da planta;
  3. listagem dos materiais e dos profissionais necessários;
  4. orçamento dos materiais e dos profissionais;
  5. elaboração dos prazos de cada etapa da obra (junto com o arquiteto);
  6. aquisição dos materiais e contratação dos profissionais de acordo com cada etapa;

Importante: o pagamento de cada um dos profissionais

pedreiro

Quando pensamos no orçamento total pra uma obra, pensamos sempre no valor total; mas é importante frisar que muitos profissionais preferem receber de acordo com cada etapa concluída. E, sim, muitos não gostam de receber o valor todo de uma vez só, já que podem haver imprevistos no decorrer da obra, pelos quais eles cobrarão um valor a mais. Lembre-se de conversar sobre isso com cada um deles, pra não ser pego(a) de surpresa. Coloque isso no seu cronograma, pra se lembrar de quando deve acertar com cada um (claro, se a conclusão ocorrer no prazo acertado).