Cachorro e porta de alumínio: relacionamento estável?

Quem tem cachorro em casa sabe como a vida fica diferente assim que eles chegam. O ambiente fica mais animado, aquele peludinho correndo pra todos os lados, brincando com tudo o que encontra, fazendo charme para os donos, implorando por aquele bife delicioso que foi feito no almoço (e aquela carinha de piedade é uma das mais difíceis de encarar, falemos a verdade aqui…). Mesmo os lares mais monótonos ganham um brilho totalmente diferente!cacchorro em baixo da mesa

Mas aí, o bichinho resolve se aliviar. Acabou de chegar, provavelmente é pequeno ainda e não foi ensinado em relação a nada. E aconteceu de estar ali pelos arredores da área de serviço, achou um cantinho entre o cesto de roupas sujas e a porta de alumínio, abaixou o derrière e pimba! Foi ali mesmo: um longo e “perfumado” xixi, bem amarelinho – e que escorre mais rápido pelos rejuntes do piso do que você supunha. E foi na direção do cesto de roupas! Correria! Mas não deu. Elas foram atingidas.

Pode ser uma tormenta diária

Quando acontece da primeira vez, normalmente as pessoas relevam. “Coitado do bichinho, ele não sabe de nada, com o tempo ele aprende o lugar certo”, costuma-se dizer. Mas não. Agora que ele fez ali na primeira vez e a sensação que veio logo depois foi ótima (dá um alívio, não é?), ele curtiu o lugarzinho. Cheiro de pessoas vindo das roupas, aquela porta de alumínio limpinha que dá até gosto, o chão também estava limpinho… Ora, é igual usar banheiro com cheirinho de limpeza! “Vou fazer lá de novo!”, pensa o cachorrinho. E volta mesmo.

E a coisa vai se repetindo, e todo mundo sabe que a repetição rotineira de um evento desagradável pode ser motivo de grandes tormentas em casa, desde os dedos apontados dizendo de quem foi a ideia de colocar um cachorro em casa até alguém dizendo que “é melhor devolver”. É normal, afinal, quem é que gosta de passar raiva e ficar limpando xixi de cachorro do chão e fazendo pré-lavagem das roupas que foram atingidas no processo? Ninguém, não é? Nem quem ama cachorros gosta dessa parte desagradável. Mas e aí? Se ele começar com isso, não tem solução?cachorro com o dono

Luz no fim da área de serviço

Claro que tem! Como diz o filme: “com grandes desesperos, vêm grandes soluções”. Ok, não era essa a frase, mas a verdade é que mesmo pra esse tipo de situação dramática, existem soluções apropriadas. Uma delas é mesmo o adestramento. Existem produtos no mercado que atraem os cãezinhos para um determinado ponto para que eles façam suas necessidades exatamente ali – são como “simuladores” que fazem o bichinho pensar que ele já se aliviou ali – e como eles tendem a fazer sempre no mesmo lugar, acaba se tornando uma boa estratégia.

O método é simples: você coloca um jornal no local onde ele pode se aliviar, borrifa um pouco deste produto lá, leva o cãozinho pra perto para que ele sinta o cheiro e entenda o que deve fazer… e pronto. Mas pode ser que ele não caia nesse truque, então o jeito é apelar para outro. Existem produtos que, ao invés de atrair, REPELEM o animal, por terem um cheiro que, mesmo sendo agradável para humanos, é um terror para os cães. Neste caso, a estratégia é o contrário.Cachorro triste

Lembra do cantinho entre o cesto e a porta de alumínio onde foi da primeira vez? Comece por lá. Limpe muito bem os locais atingidos pelo xixi e depois borrife o produto repelente, tanto no chão quanto no pedaço da porta que ele atingiu. Deixe secar naturalmente, para que as moléculas com o odor da urina sejam destruídas (por isso é que passar desinfetante por cima não resolve: ele não as destrói, só mascara o cheiro). Provavelmente, quando o cãozinho voltar àquele local, ele vai sentir o cheiro do produto e dar meia-volta. SUCESSO! Mas… calma aí, nde ele vai agora??

Pois é. Ele vai procurar outro lugar – e é nessa hora que você deve ensiná-lo o lugar certo. Pegue-o com calma e paciência e carregue-o até o ponto exato onde ele tem permissão para “liberar o lastro”, por assim dizer. Fique ao lado dele, caso ele não entenda e tente sai dali em busca de outro canto; se tentar, seja paciente e insista que ele permaneça naquele ponto. Uma hora ele não vai conseguir se segurar mais (ou simplesmente entender de uma vez) e se aliviar onde deve. Voi lá!

Para a estratégia dar certo, faça a aplicação do repelente uma ou duas vezes por dia no chão de na porta de alumínio, durante um mês ou dois, até perceber que ele já não procura mais aquele cantinho proibido. Quando ele aprender, continue o processo por mais umas duas semanas, só por precaução. Dá trabalho, não é? Mas com crianças é assim também! Basta paciência e amor pelo bichinho, e as coisas se ajeitam.